Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Granjinha/Cando

e Vale de Anta... factos, estórias e história.

Granjinha/Cando

e Vale de Anta... factos, estórias e história.

A Matança - Abobeleira 2010

16
Dez10

 

Matança Comunitária na Abobeleira

 

 

Cumpriu-se mais uma vez no último sábado a tradição da matança do porco na Abobeleira.

 

Quando chegámos ao recinto já ia adiantado a preparação do sarrabulho, o reco já estava a ser desmanchado pelo mordomo, JORGE CARVALHO, que retirava as iguarias, para depois seriam servidas aos convivas, o fígado, os rins e os rojões!

A tradicional fogueira já tinha brasas para fazer ferver os potes, e o Hélder já cuidava  do sarrabulho e posteriormente mexeu muito bem os rojões para estes não se agarrarem ao pote.

(foto Dinis Ponteira)

Iniciou-se a “jorna” com o sarrabulho, bem molhadinho com azeite e malagueta, e um tintinho!


Depois do "aperitivo" fez-se uma visita cultural à Barragem Romana da Abobeleira, onde se captaram alguns bonecos.


Na cozinha, a azáfama era grande. A LENA CARVALHO, a anfitriã e em conjunto com as suas amigas cozinheiras (bem-haja), cuidavam do petiscos que haveriam de ir deliciar os convidados. Estes já esperavam com água da boca, a preparação do petisco…e os mais impacientes, molhavam já a palavra com alguns dos tintos disponíveis!

Depois dos estômagos aconchegados a equipa de cozinheiras, com o casal de  Mordomos a ajudar, preparavam já a etapa seguinte: as carnes para a feijoada à Portuguesa, que à noitinha haveria de ser servida, acompanhadas de fêveras na brasa.

Os convidados, como não percebem nada destas andanças, uns ficaram pela suecada, outros por dois dedos de conversa ou resolveram dar mais uma volta à procura do boneco ideal, desta vez por Vale de Anta, tendo ido bater ao lugar da Capela, onde o Nel, abriu a porta do "altar"...Desta visita daremos conta, noutra ocasião!

De regresso à Abobeleira e já lusco fusco, esperamos junto à fogueira pela bela feijoada e pelas febras assadinhas na brasa, para acabar a jornada.

O incansável Jorge, com a paciência não de um Santo, mas de 2 ou 3, ainda tinha fôlego para servir  e agradar aos convidados, que pela noitinha tinham aumentado de número…

Agradecemos ao Jorge Carvalho o convite e o convívio entre amigos.

 

Obrigado.